Blog, Techtudo

6 tipos de mensagens que você não deve enviar para ninguém no WhatsApp | Redes sociais – [Blog GigaOutlet]


Acesse agora GigaOutlet e compre com desconto e frete grátis!

O WhatsApp é o aplicativo com maior número de downloads no país. A plataforma para celulares Android e iPhone (iOS) está entre as preferidas dos brasileiros para receber e enviar mensagens, mas é preciso tomar cuidado na hora de usar o app para não violar os termos de uso e terminar banido para sempre da plataforma. Mandar fake news, golpes ou dados pessoais no WhatsApp pode pôr em risco a segurança e privacidade dos próprios usuários, além de desrespeitar diretamente as diretrizes do aplicativo. Confira a seguir seis tipos de mensagens que não devem ser enviadas nem compartilhadas no WhatsApp.

LEIA: 5 funções do WhatsApp que poucas pessoas conhecem

WhatsApp: lista traz seis tipos de mensagens que não devem ser compartilhadas no app — Foto: Rubens Achilles/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O compartilhamento de notícias falsas no WhatsApp vai contra os termos de uso do mensageiro — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo

O compartilhamento de fake news vai contra os termos de uso do mensageiro e, por isso, o WhatsApp pode banir permanentemente contas de usuários que encaminham notícias falsas pelo aplicativo. O mensageiro, inclusive, encoraja a denúncia de perfis que compartilham conteúdo impróprio — o que inclui as fake news —, já que a criptografia de ponta-a-ponta não permite que o app tenha acesso às mensagens trocadas na plataforma.

2. Disparo de mensagens em massa

WhatsApp Beta para Android começa a mostrar quando mensagem foi encaminhada — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Além disso, o WhatsApp pode processar judicialmente empresas cadastradas na versão empresarial do mensageiro que utilizam o serviço de automação para enviar mensagens em massa. Em junho do ano passado, o mensageiro também afirmou que usuários que não respeitarem as regras da plataforma também poderão ser responsabilizados criminalmente.

Golpe no WhatsApp usa site falso com o nome da loja O Boticário — Foto: Tainah Tavares/TechTudo

Os criminosos por trás dos golpes, no entanto, utilizavam o mesmo esquema para atrair vítimas e espalhar o link malicioso pelo WhatsApp. As falsas promoções e o falso auxílio exigiam que as vítimas cumprissem com o mesmo procedimento todas as vezes: elas deveriam responder a algumas perguntas simples e, para ganhar o prêmio, compartilhar o link malicioso com um certo número de contatos. Ou seja, seguindo a mecânica exigida pelos criminosos, a própria vítima acaba disseminando o golpe.

Portanto, antes de encaminhar links suspeitos no WhatsApp, faça uma busca simples e confirme se a informação é verdadeira. Resgate de itens gratuitos e promoções “muito boas para ser verdade” costumam atrair a atenção de usuários e, por isso, são utilizadas por golpistas com frequência. Além disso, também é interessante verificar os caracteres de links recebidos pela plataforma antes de clicar neles, já que criminosos costumam modificar letras por caracteres especiais semelhantes com o intuito de dar credibilidade ao golpe e atrair vítimas para sites que pareçam seguros.

Envio de conteúdo plagiado viola os termos de uso do WhatsApp — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

O envio de conteúdo plagiado no WhatsApp é proibido e fere as diretrizes da plataforma. O plágio é entendido pelo mensageiro como qualquer conteúdo que viole a propriedade intelectual, direito autoral e marca registrada de qualquer outro usuário ou empresa. Como o WhatsApp não tem acesso às mensagens trocadas por usuários na plataforma em razão da criptografia de ponta-a-ponta, é necessário enviar um e-mail para o app pelo endereço [email protected], com informações sobre o ocorrido.

Além disso, a plataforma sugere que o usuário que sofreu plágio entre em contato com a conta que pode estar violando os direitos sobre sua propriedade intelectual, já que o WhatsApp só é capaz de remover o conteúdo público, que inclui foto de usuário, nome de perfil e status.

O número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) é um exemplo de dado pessoal — Foto: Divulgação/Receita Federal

Também vale ressaltar que, como medida de segurança, informações pessoais como números de RG e CPF, endereços residenciais e dados ainda mais sensíveis como números de cartões de crédito e senhas não devem ser repassados pelo mensageiro, nem mesmo para contatos que pareçam confiáveis. Os dados podem ser utilizados de maneira indevida e por pessoas mal intencionadas que aplicam golpes pelo WhatsApp.

6. Conteúdos que infrinjam a lei

Qualquer conteúdo que viole leis também é proibido no WhatsApp — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

Além disso, qualquer outro conteúdo que infrinja leis também está terminantemente proibido de ser enviado por meio do WhatsApp. Qualquer forma de violação e apropriação indevida dos direitos do WhatsApp, de outros usuários ou de terceiros não é aceitável e, caso as regras sejam desrespeitadas, a conta pode ser banida da plataforma definitivamente.

Todo conteúdo que, por algum motivo, for compartilhado de maneira ilícita, ameaçadora, difamatória ou que seja assediante ou ofensiva em razão de questões étnicas ou raciais, além de qualquer conteúdo que incite a violência é proibido e fere as diretrizes de uso do mensageiro. O compartilhamento de mensagens e ligações automatizadas também não é permitido, e usuários que utilizarem táticas de robotização de mensagens para enviar spam podem, inclusive, responder criminalmente por suas ações.

4 coisas que seus contatos do WhatsApp sabem sobre você


Acesse agora GigaOutlet e compre com desconto e frete grátis!


Fonte: www.techtudo.com.br |